Direitos Humanos Direitos Humanos

Especial do Dia dos Direitos Humanos tem Martin Luther King, Araguaia e Sobral Pinto

Esta semana, o Curta! exibe programação especial no Dia Internacional dos Direitos Humanos, com filmes sobre Martin Luther King, os soldados da guerrilha do Araguaia e o jurista Sobral Pinto.

03/12/2021 08h30
Por: Rebeca Costa Fonte: Agência Febre/ Luísa Mattos
Martin Luther King acenando para multidão (Créditos: Divulgação / Canal Curta!)
Martin Luther King acenando para multidão (Créditos: Divulgação / Canal Curta!)

Na data em que o mundo celebra o Dia Internacional dos Direitos Humanos, o Curta! apresenta uma programação especial com três produções que abordam as vidas de pessoas que tiveram direitos negados ou lutaram para conquistá-los. Serão exibidos, em sequência, os filmes “Martin Luther King: Um Homem Marcado”, “Soldados do Araguaia” e “Sobral – O Homem Que Não Tinha Preço”.

Em “Martin Luther King – Um Homem Marcado”, dirigido por Edward Cotterill, o ativista norte-americano e vencedor do Nobel da Paz de 1964 tem sua trajetória narrada através dos depoimentos de jornalistas e integrantes do movimento negro, além de imagens de arquivo da época. Luther King pregava a não-violência e o amor ao próximo, valores eternizados no discurso “Eu tenho um sonho”, proferido durante a Marcha sobre Washington, em 1963. Sua filosofia, no entanto, não era confundida com passividade, já que ele também liderou manifestações e boicotes, além de ter organizado grupos e conferências que discutiam, sobretudo, as questões raciais. Foi duramente perseguido pelo FBI até o fim da vida, em 4 de abril de 1968, quando foi assassinado.

Em “Soldados do Araguaia”, o diretor Belisario Franca conta a história de um grupo de militantes comunistas que se mobilizou, às margens do Rio Araguaia, para tentar construir uma revolução a partir do campo, aos moldes de Cuba e da China. O contexto era o de um regime militar em seu momento mais rígido, entre as décadas de 1960 e 1970. Para impedir os planos dos guerrilheiros, o Exército Brasileiro enviou tropas para o local, culminando em uma das passagens mais sangrentas da história brasileira: a Guerrilha do Araguaia. As memórias de alguns desses militares, marginalizados pela historiografia oficial e pelo próprio Exército, vêm à tona no documentário.

Em “Sobral – O Homem Que Não Tinha Preço”, é relembrada a trajetória do jurista Heráclito Sobral Pinto, que ganhou visibilidade ao defender a democracia durante a ditadura militar. O longa-metragem é dirigido pela neta do jurista, a cineasta Paula Fiuza, e traz uma série de depoimentos de advogados e historiadores, além de imagens de arquivo que ressaltam a importância do trabalho de Sobral na defesa da justiça e dos direitos humanos. Um dos depoimentos do filme é de Anita Leocádia Prestes, filha dos militantes comunistas Luiz Carlos Prestes e Olga Benário. A exibição dos três filmes é na Sexta da Sociedade, 10 de dezembro, a partir das 20h.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias