Segunda, 23 de Maio de 2022
71 99955-6118
Dólar comercial R$ 4,88 0%
Euro R$ 5,15 0%
Peso Argentino R$ 0,04 -0.011%
Bitcoin R$ 156.509,06 +3.377%
Bovespa 108.487,88 pontos +1.39%
Economia Negócios

Pesquisa revela que consórcio de caminhões cresceu 94,0% nos últimos doze meses

Equilibrados, participantes ativos se dividem em 52,4% em pessoas jurídicas e 47,3% em autônomos

13/05/2022 12h25
Por: Paulo Maneira Fonte: Agência Dino

O cenário econômico brasileiro vem apresentando crescimento gradativo apoiado em um de seus principais fatores: o transporte rodoviário de cargas. A movimentação desse setor tem garantido produtos nas várias localidades pelo país e cargas para exportações nos portos e aeroportos. O transporte por rodovias é predominante no país, e representa 60% do sistema logístico nacional. Os outros 40%, também importantes no escoamento da produção, se dividem entre ferroviário, hidroviário e aéreo, segundo o Plano Nacional de Logística.

Mesmo com a pandemia, foi o transporte de insumos ou matérias primas e o de safras ou produtos acabados que permitiram a manutenção do abastecimento da indústria, comércio varejista, supermercados, vendas on-line, centros de distribuição, entre outros.

Baseada em dados fornecidos pelas administradoras de consórcios que atuam no setor de veículos pesados, onde o transporte rodoviário de cargas está inserido, a assessoria econômica da ABAC Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios realizou pesquisa para avaliar o desempenho do mecanismo nesse segmento, durante a pandemia.

O levantamento teve como foco os caminhões, considerando principalmente a intermodalidade e a integração das suas diversas categorias: dos extrapesados, que fazem os longos percursos e rodam pelas estradas, aos leves, que têm acesso às áreas urbanas.

Face às peculiaridades e vantagens do Sistema de Consórcios como custo final baixo; prazos longos; aproveitamento de até 10% do crédito para despesas com documentação, tributos e seguro; parcelas mensais ajustadas aos orçamentos e, principalmente preservação do poder de compra, com as correções dos créditos, verificou-se que há um equilíbrio entre a participação de pessoas físicas e jurídicas nos grupos. Em março, as pessoas jurídicas representavam de 52,4% dos consorciados, enquanto os autônomos atingiram 47,3%, e outros como, por exemplo, as cooperativas, chegaram a 0,3%. Em todas, a opção pela modalidade está calcada no planejamento para troca e renovação de veículos ou ampliação de frotas.

A análise revelou que, de março do ano passado até março deste ano, as adesões aos consórcios demonstraram crescimento. Enquanto, naquele mês de 2021 somavam 7,92 mil novas cotas, no mesmo período de 2022 chegaram a 15,36 mil, registrando avanço de 94,0%. A média mensal, nos últimos doze meses, foi de 11,47 mil cotas, para um total de 137,64 mil adesões.

Os picos de vendas ocorreram em maio e setembro do ano passado, quando atingiram 15,52 mil e 15,07 mil cotas, respectivamente. Já em março deste ano, alcançaram 15,36 mil.

Ao aderirem ao mecanismo, empresas de transportes e autônomos, de acordo com suas áreas de atuação, optaram por créditos variando de R$ 120,00 mil a R$ 990,00 mil, ficando a média próxima aos R$ 390,00 mil.

A taxa média de administração praticada foi de 0,15% ao mês para um prazo médio de 92 meses de duração do grupo. Os reajustes periódicos sobre os créditos e consequentemente nas parcelas, previstos nos contratos, foram de 80,0% acompanhando a tabela do fabricante e de 20,0% pelo IPCA.

Entre as categorias mais retiradas, por ocasião da contemplação, estiveram os caminhões leves, com 23,0%; os médios, com 24,7%; os pesados, com 37,6%; e os extrapesados, com 14,7%.

O levantamento apontou ainda que o maior volume de consorciados contemplados optou pela renovação da frota, com 65%, enquanto para ampliação foi de 35%. Ainda segundo a B3, em março, a maioria, 72,0%, decidiu pelos caminhões seminovos e 28,0% pelos novos.

Segundo Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da ABAC, "os resultados do levantamento apontam a potencialidade do mercado, visto que muitos veículos, negociados no ano passado, ainda serão entregues este ano".

Paralelamente, a Anfavea Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, ao projetar a comercialização de 140 mil unidades, está apontando crescimento de 9,0% para 2022.

"Com estes desafios, temos a convicção de que o consórcio é a melhor alternativa, em razão dos custos mais baixos, e que as futuras decisões de troca ou de compra estarão apoiadas no planejamento dos consumidores".

Em março deste ano, o balanço dos consórcios de veículos pesados chegou a 487,59 mil participantes, dos quais dois terços - 325,06 mil -, têm como objetivo básico a aquisição de caminhões. O outro terço de consorciados visa a compra de máquinas e implementos agrícolas.

Ao considerar a capacidade dos veículos e sua movimentação, observou-se que 56,0% se destinam a entregas no varejo; 15,0% ao agronegócio; 2,5% à carga líquida, como combustíveis, gás, sucos; 2,5% à carga seca como madeira, eletroeletrônicos, construção; e 24,0% a outros tipos.

As expectativas para 2022 seguem apoiadas especialmente no agronegócio, onde as safras continuam em alta, apesar das dificuldades enfrentadas com secas e chuvas desproporcionais entre as regiões do país; com as oscilações do dólar, quando da aquisição de insumos; e com as exportações, em razão da influência da globalização da guerra no leste europeu. "Isto sem falar da inflação crescente; taxa de juros ascendente, pequena reação nos empregos mesmo com renda menor, além de despesas com energia, combustíveis etc.", complementa Rossi.

Os consórcios de semirreboques

Inserido no setor de veículos pesados, formados principalmente por caminhões ou cavalos mecânicos e semirreboques específicos, há consorciados com objetivo de adquirirem somente implementos rodoviários para vários tipos de cargas.

Do simples basculante, com atuação urbana, aos bitrens, destinados a deslocamentos em grandes distâncias, ou até mesmo aqueles para transporte de carga viva, os consórcios desses equipamentos são procurados para atender diversas necessidades.

Os maiores emplacamentos no primeiro trimestre, segundo dados da Anfir Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários, foram os basculantes, dollys, graneleiros-carga seca, baús lonados, baús carga geral, tanque carbono, seguidos dos canavieiros, tanques, frigoríficos, porta contêiner, carrega tudo, canavieiros, cegonheiros, cargas vivas, entre outros.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Salvador - BA
Atualizado às 02h50 - Fonte: Climatempo
24°
Pancada de chuva

Mín. 23° Máx. 29°

24° Sensação
26 km/h Vento
89% Umidade do ar
80% (10mm) Chance de chuva
Amanhã (24/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 30°

Sol com muitas nuvens e chuva
Quarta (25/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 24° Máx. 29°

Sol com muitas nuvens e chuva
Ele1 - Criar site de notícias