Justiça Aleve Legaltech

Aleve Legaltech revoluciona o mercado jurídico no Brasil

Aleve Legaltech estimula startups para a área jurídica e o Direito em geral

06/12/2021 16h20
Por: Rebeca Costa Fonte: Partners Comunicação/ Marco Antônio Corteleti

Um termo em inglês, que não tem uma tradução literal, mas que remete às empresas emergentes, criadas com o objetivo de desenvolver ou aprimorar um modelo de negócio, as startups, tanto no Brasil como no mundo, têm batido recordes de crescimento. As novas tecnologias têm revolucionado o mercado e gerado inovação para os mais variados produtos e serviços. De acordo com a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), de 2015 até 2019, o número saltou de uma média de 4.100 para 12.700 startups criadas, representando um aumento de 207%.

Startups são empresas de base tecnológica que têm crescimento rápido e escalável — com aumento de ganhos sem inflar os custos. Nesse sentido, a necessidade de inovação chega a todos os mercados e não seria diferente com o setor jurídico. Mesmo que o ramo da advocacia seja, tradicionalmente, mais resistente às transformações tecnológicas, é possível afirmar que as soluções com base em tecnologia já são parte das rotinas de tribunais, escritórios e até mesmo advogados individuais.

É nesse contexto de soluções inovadoras que nascem as Law e LegalTechs, empresas de base tecnológica (startups) que buscam por soluções que visam modernizar e automatizar o setor. E com o objetivo de fomentar o ecossistema de inovação jurídico, a Andrade Silva Advogados, em parceria com a FCJ Venture Builder, lançou no mercado a Aleve LegalTech Ventures, um modelo de Corporate Venture Builder voltado para a esfera jurídica.

No momento, a Aleve está trabalhando com seis legaltechs no seu portfólio, mas o objetivo do negócio é alcançar 30 startups em um período de cinco anos. O próximo passo é abrir a segunda rodada de captação de investidores no início de 2022, quando a CEO, Priscila Spadinger, espera captar mais de R$1 milhão de forma a investir em mais startups especializadas na área jurídica. “Essa nova rodada significa oportunidades para os investidores se tornarem sócios da Aleve e terem proporcionalmente participação nas startups selecionadas pela plataforma. Duas das nossas startups (IppBlock e JusHub) nasceram dentro da Aleve e já estão vendendo para o mercado”, destaca.

A JusHub, por exemplo, é a única plataforma de conexão L2L (legal to legal) do Brasil. Seu objetivo é dar maior eficiência na contratação de serviços jurídicos ou escritórios de advocacia junto aos advogados da base desse setor. A empresa, além de fazer parte do portfólio da Aleve, também é uma das suas associadas e investidoras.

"A gente se deu tão bem com o ecossistema da Aleve que resolvemos investir. O que estão fazendo é algo disruptivo porque o mercado jurídico é muito tradicional, dentro da caixa, e tem muito espaço para inovar. E a Priscila é a primeira a falar que quer inovar. Então, fez muito sentido para a gente. Além disso, é um mercado multimilionário que não tem como ignorar", compartilha Amanda Tornovsky, CEO da JusHub.

Outra startup parceira, selecionada para fazer parte da Aleve, é a RevisaPrev. A Legaltech oferece um sistema de algoritmos que calcula se o valor do benefício previdenciário recebido pelos clientes está correto e, se não estiver, a plataforma faz toda a revisão dos cálculos. "Nossa solução é tentar garantir o benefício mais justo aos aposentados e, para quem ainda vai se aposentar, a gente quer que ela nunca precise fazer uma revisão porque ela já vai se aposentar da forma correta", explica o CEO Bruno Motomatsu.

Essa inovação só foi possível a partir do apoio da Aleve. “Eu desenvolvi um algoritmo e conversei com a Priscila, porque eu não tinha caixa e precisava de uns R$ 25 mil para nvestir em um desenvolvedor. A Aleve, então, bancou essa parte e o código está ficando pronto, com sucesso. Tudo isso foi possível porque eles confiaram no nosso projeto”, diz o empreendedor.

 

Mercado Promissor

Reconhecendo o Brasil como um país promissor para a área de inovação e tecnologia, os venezuelanos Ignacio Leon e Alberto Parra abriram em São Paulo uma sede da IppBlock, que fica originalmente em Washington (EUA). A plataforma entrega tecnologia em armazenamento de informações por soluções de blockchain de maneira segura e rápida para proteger e organizar a propriedade intelectual do cliente sobre seus ativos de negócios. Os dados são criptografados e registrados sob um protocolo blockchain adaptado às necessidades do cliente.

“O Brasil é um país fantástico para promover o empreendimento porque é um país inovador, explorador, que eu gosto muito. Esse é um dos melhores países do mundo para iniciar ideias inovadoras. Somos gratos de estar aqui e ter essa oportunidade. O Brasil, com certeza, terá mudanças importantes graças à tecnologia e inovação”, acredita Ignacio Leon.

 

Como fazer parte

As legaltechs interessadas podem se inscrever no site, que já dá um feedback sobre a continuidade ou não do processo de aceitação com base nas informações fornecidas pela startup. Se o feedback for positivo, uma equipe da Aleve especializada em inovação entra em contato para agendar uma entrevista e em caso de ser selecionada, essa startup é levada para um evento chamado Investor Day, onde será submetida à avaliação de uma banca examinadora. Na sequência, a startup é levada para o Conselho de Administração, que decide se a candidata fará parte do ecossistema da Aleve.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias